Ascon Vinhedos quer descomplicar o Plano Diretor de Bento Gonçalves

Quarta-Feira, 13 de março de 2013

Grupo de trabalho foi criado pela entidade para discutir o atual Plano Diretor da cidade e entregar sugestões para prefeitura e Câmara de Vereadores

A necessidade de avaliar e atualizar o Plano Diretor de Bento Gonçalves fez com que Ascon Vinhedos criasse o Grupo de Trabalho de Revisão do Plano Diretor. Esta turma de profissionais foi criada após um convite feito pela antiga administração municipal em setembro do ano passado, para que a entidade avaliasse as leis em vigência e sugerisse alterações. Desde então, os profissionais se reúnem semanalmente e se debruçam sobre as leis que orientam a política de desenvolvimento e ordenamento de expansão urbana da cidade. A ideia é desmistificar o Plano Diretor e exibir, ainda neste ano, as sugestões em uma maquete eletrônica de fácil compreensão.

Fazem parte dessa equipe dezenas de profissionais multidisciplinares: engenheiros, arquitetos, administradores de empresas, corretores de imóveis, loteadores, economistas, construtores e incorporadores de imóveis ligados à Ascon Vinhedos. Os encontros ocorrem todas as quartas-feiras no Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves (CIC/BG) e são coordenados por Cedamir Poletto, engenheiro civil que também presidiu a Ascon entre 2004 e 2005. Uma das preocupações de Poletto é descomplicar o Plano Diretor para que a população da cidade entenda, de fato, do que trata este documento e a importância do cumprimento das normas estabelecidas nele. “Queremos tirar essa complexidade do assunto e também quebrar paradigmas de que, por exemplo, construir prédios não é bom para o crescimento de Bento Gonçalves”, afirma o engenheiro.

A equipe já elencou um documento com oito sugestões, mas o trabalho se estenderá por alguns meses e, assim, renderá mais apontamentos. Todas as normas criadas pelo grupo estão baseadas no princípio da sustentabilidade, erguida em três pilares: econômico, social e ambiental. “É necessário que haja equilíbrio entre esses fatores para as construções e mudanças físicas em Bento Gonçalves realmente acrescentem na nossa economia. Nós temos a visão de quem está no mercado em diversos segmentos: enxergamos os problemas do Plano Diretor nas áreas de projeto e produção, refletindo em nossa economia”, enumera Poletto.

As sugestões elaboradas contemplam ideias que podem favorecer a verticalização da cidade, ou seja, a construção de prédios que, segundo Poletto, poderiam ser erguidos em maior número na região central de Bento. Além disso, as sugestões devem deixar mais claras as leis, não permitindo duplo entendimento de uma mesma cláusula, por exemplo. “O atual plano define as construções em dois quesitos: adequados ou inadequados. Este último proíbe uma determinada modificação, muitas vezes, sem estudo aprofundado, sem um argumento forte”, define. No documento elaborado pelo grupo, as classificações se transformariam em adequada, incentivada ou inadequada. Mas para que uma obra receba cada uma dessas denominações, Poletto explica que serão necessários estudos que comprovem o porquê da decisão. “Isso evitará possíveis favorecimentos de determinada empresa em construções, ou diferentes interpretações sobre um assunto, será mais justo e claro”.

O presidente da Ascon Vinhedos, Diogo Parisotto, explica que a comissão deve simplificar o plano diretor para que qualquer leigo, que tiver interesse sobre o assunto, possa entender as especificidades do documento. “É um processo lento porque vamos analisando item por item, com diversas opiniões. Vamos identificar os problemas e apontar alternativas para apresentar ao público uma boa proposta. As reuniões são abertas a todos associados que desejam participar”, convida Parisotto.

Após a conclusão do projeto, a equipe pretende mostrar o resultado da análise e as sugestões para a prefeitura, Câmara de Vereadores e população. A previsão é que ele seja concluído até o final do primeiro semestre de 2013.

Crédito foto:
Raquel Fronza

Patrocinadores


Apoiadores

Índice INCC-M

Maio/2024 - N° Índice: 1.104,457

0,59

no mês

1,69

no ano

3,68

12 meses

Nós utilizamos cookies neste site para melhorar a sua experiência de navegação e nosso desempenho, analisar como você interage em nosso site ou ainda para personalizar conteúdos. Para mais informações, consulte nossa Política de Privacidade.

PROSSEGUIR